Treinos de alta intensidade são mais eficientes na queima de gordura – HIIT

quinta-feira, junho 11th, 2009

marathoner_sprinter2

Você gostaria que seu corpo parecesse com o de um “sprinter” ou de um maratonista?

Maratonistas correm grandes distâncias com intensidade moderada por longos períodos, queimando relativamente mais gordura do que açúcar. “Sprinters” treinam com alta intensidade, explosão por períodos curtos, queimando mais açúcar, e menos gordura durante o treino.

“Sprinters” tendem a ser magros e musculosos, enquanto maratonistas tendem a ser magros e muito delgados. A razão para isso é porque quando um exercício de explosão de alta intensidade é realizado o corpo queima relativamente mais açúcar, mas queima mais gordura e calorias após o treino. Esse efeito pode durar de 16 até 48 horas, enquanto intensidade baixa ou moderada não tem efeito de pós-queima. Outro aspecto importante desse tipo de exercício é o equilíbrio hormonal que ele cria.

Exercícios de intensidade baixa e moderada produzem muito cortisol, levando ao catabolismo, estado queimador de músculos. Exercícios de alta intensidade também produzem cortisol, mas junto produzem também hormônio do crescimento e testosterona, intensificando a queima de gordura, levando ao anabolismo, estado construtor de músculos.

Estudos (documento PDF em Inglês) demonstraram que métodos de alta intensidade são mais eficientes na queima de gordura e manutenção ou construção de massa muscular do que treinos aeróbicos de longa duração e baixa intensidade.

Fonte: The Better Weigh
Tradução: xfreddyx

Acompanhe o Blog

Me siga no Twitter Receba as últimas notícias no seu email Assine o nosso RSS Visite o meu perfil no Orkut

Uma dieta rica em carne vermelha pode aumentar o risco de câncer da próstata

quarta-feira, junho 10th, 2009

Imagem Vito Covaluccicarne-vermelha-tomates

A ligação entre câncer de próstata e o IGF-1 (hormônio que simula as ações da insulina) tem sido claramente demonstrada, graças a pesquisadores da Universidade de Oxford.

Nos estudos, foram compilados resultados de 12 pesquisas já realizadas para avaliar se existe uma ligação entre IGF-1 e o câncer de próstata. No total participaram 3.700 homens com a doença e 5.200 sem. A idade média dos participantes foi de 62 anos.

Existe uma necessidade de identificar fatores de risco para câncer de próstata, especialmente aquelas que podem ser segmentadas como terapêutica e/ou mudanças de estilo de vida.

Agora que sabemos que esses fatores estão associados à doença, podemos começar a examinar como a dieta, e estilo de vida, podem aumentar os riscos e se mudanças poderiam reduzir a chance do homem contrair a doença.

O brasileiro adora churrasco, e muitas vezes desconhece que as substâncias químicas, eliminadas quando queimado o carvão para assar a carne, são em grande parte nocivas à saúde humana e capazes de causar câncer e mutações genéticas. Além dos estudos envolvendo a carne, outros costumes do Brasil também podem aumentar o risco de câncer.

Entre outros hábitos para prevenir o câncer de próstata, eu deixo uma dica de alimentação. O tomate, além de cargas de vitamina C, é uma das mais ricas fontes de licopeno flavonoide – o que lhes confere a sua cor vermelha – e que demonstrou defender o organismo contra o câncer de próstata. Para que tenha esse efeito, é necessário o consumo de 3-4 rodelas de tomate por dia.

dra-daniela-jobst-nutricionista-funcional

Dra. Daniela Jobst é nutricionista e Pós Graduada em Nutrição Clínica Funcional e Bioquímica do Metabolismo pela VP/Consultoria Nutricional/Divisão de Ensino e Pesquisa, Especialista em Fisiologia do Exercício pela Escola Paulista de Medicina (UNIFESP), membro do Centro Brasileiro de Nutrição Funcional e do Instituto de Medicina Funcional dos EUA.
Atualmente atende em consultório particular em São Paulo.
Site: www.nutrijobst.com

Acompanhe o Blog

Me siga no Twitter Receba as últimas notícias no seu email Assine o nosso RSS Visite o meu perfil no Orkut

Bons hábitos alimentares dos pais tem pouca influência para os filhos

terça-feira, junho 9th, 2009

Imagem Wong Mei Teng

habitos-alimentares-pais-filhos

Um novo estudo publicado no jornal Social Science and Medicine mostrou de certa forma até surpreendente para os pesquisadores que os hábitos alimentares dos pais tem pouca influência nos hábitos alimentares do filhos.

O estudo foi liderado pela Dra. Youfa Wang e contou com a participação de 1061 pais, 1230 mães, 1370 filhos e 1322 filhas.

Pontos Interessantes

O estudo sugere que outros fatores, tais como amigos e televisão podem ter mais influências sobre o que as crianças comem.

O consumo alimentar foi avaliado e comparado à dieta baseada em uma pontuação do USDA. Uma pontuação perfeita é de 100 pontos, e leva em consideração o consumo de frutas, legumes, cereais integrais, lacticínios, carne, feijão, óleo, gordura saturada e sódio.

A pontuação média dos pais e das crianças era de cerca de 48 a 50, bem abaixo da pontuação acima de 80, que o USDA considera uma boa dieta.

Apenas 10 por cento dos americanos tem uma pontuação superior a 80 em 2000.

De acordo com Wang, as variações na dieta das crianças que poderia ser explicado pela influência dos seus pais foi inferior a 10 por cento. 90 por cento da variação da dieta das crianças foi explicada por outros factores.

Algumas Conclusões

Existe um grande problema na sociedade de hoje em que os dois pais necessitam trabalhar para sustentar a família, além de que existe uma grande parte de famílias monoparentais, consequentemente, havendo uma menor influência sobre as crianças.

Ao olhar o que substitui os pais como influências – mídia, escola e amigos – não é de admirar que os hábitos alimentares das crianças não são exemplares.

Soluções

Influência dos pais só pode começar quando os pais começarem a passar mais tempo com seus filhos.

Quando os pais comprometem-se a um estilo de vida mais saudável, é uma questão não só de dar o exemplo, mas também deles reforçarem do porque fizeram esta escolha.

Envolver as crianças na cozinha, escolhendo frutas e verduras e dar explicações simples sobre o motivo do por que os seus corpos gostam mais desses tipos de alimentos.

É importante de não impor demais uma alimentação saudável ou seja, não controlar ou proibir junk food. Isso pode causar uma revolta a alimentação saudável.

No final das contas, tudo o que podemos fazer é de ser um modelo e guia, e educar os nossos filhos sobre uma vida saudável da melhor maneira que pudermos.

Quais são os seus pensamentos? Como você tenta influenciar os seus filhos a comerem alimentos saudáveis?

Fonte: dietblog

Blog Widget by LinkWithin

Acompanhe o Blog

Me siga no Twitter Receba as últimas notícias no seu email Assine o nosso RSS Visite o meu perfil no Orkut
SEO Powered by Platinum SEO from Techblissonline